quem tirou a foto deve ter sido um amor e o amor acabou mas a foto foi antes do amor acabar

no retrato amarelo pelos anos minha mãe vestia um jeans.

a cor do tempo passando é

amarela, por isso não fico bem de blusa amarela, tenho medo de envelhecer mais que de morrer. prefiro azul,
morrer é azul.

o jeans

da minha mãe

era curto, ela estava em cima do muro da casa da minha

vó em

tijolos que eu não conheci, só ouço dizer que é a casa da Narcisa, a vizinha que alugou

pro meu vô ou era o nome da rua, Narcisa, não sei

tem coisas que eu não me lembro

mesmo tentando muito.

no muro baixo minha mãe sentou pra sair na foto com o rosto fazendo um charme que eu nunca vi

jogando o cabelo pra trás,

longos

cabelos

morenos, no máximo 18 anos ela tinha.

fiquei olhando tanto aquela foto mesmo depois que guardei de volta no álbum, olhei da minha cabeça,

a foto grudou na testa por dentro, um imã.

a minha mãe não morreu mas morreu daquele jeito que era, ela passou pelo corredor me perguntando:

– o que você tá fazendo aí?

como se soubesse

o que eu estava fazendo e não quisesse

que eu visse o estrago do tempo na gente porque aquilo de mudar tanto era muito

assustador. não vai acontecer comigo, é o que todo mundo pensa.

passa os anos.

Acontece.

tô vendo a mulher que você era, eu queria dizer e não disse.

ao invés, falei:

– não tô fazendo nada, mãe. é domingo.

a expressão dura que habitava seu rosto de hoje me deu vontade de parar de ouvir música pela vida inteira, minha mãe sempre borrava

a maquiagem

pelo choro fácil de dor e de sono mas não no retrato. lá

nem parecia que a minha mãe seria capaz de brigar com alguém pra depois chorar. na foto ela era 1 Ilha

deserta com seios quietos
nunca antes
mamados, naquele frescor de ser jovem no

osso atumblr_static_bparlij18408oso8kkww0wgco.gif

pele

passada

a ferro,

me olhei no espelho pra ver se encontrava 1 pingo da velha mãe em mim: não, nada.

aquela mulher no muro

mudou pruma rua que derreteu.

quero saber o nome da última pessoa que a viu tão flor, a gente vai mudando aos poucos

o resquício existe

não acaba tudo de uma vez. preciso guardar nos olhos aquela candura da foto

vou dormir eternamente sem morrer, vou dormir fingindo acreditando que durmo igual o menino ontem no banco roncando

de mentira tão real.

vou me trancar num vestido justo pra não me escapar esse

vento, essa sede de

chuva, esse riso leve que mostra um pouco do dente mas não tudo e depois

todos os dentes, é um começo de sorriso

e por ser começo é bonito

porque traz

esperança.

minha mãe esqueceu como sorrir assim. ela diz que a culpa é da asma,

o tempo também

é culpado mas o nome

da culpa maior é A Perda e Jeito que a gente lida com ela

um nome comprido, de fato, preciso anotar

pra não esquecer.

Somando as duas, nossas fotos tiveram 54 likes

a gente tinha quebrado a cara de novo, não
desistimos nunca,
fomos criadas assim. Pra acreditar no amor,pra tentar mais que Uma, pra
começar de novo, mas

dessa vez,

depois de

t  a n  t  a  s,
estava sendo

especialmente Difícil. O meu me trocou por outra

Gata
de menos de 20 anos, eu tenho
vinte e seis. Não telefonou, não voltou nem pra buscar a mala. Provavelmente não nos veremos nunca mais, quiça numa esquina

daqui uns 5 anos, eu de cabelo curto, ele vivendo em outro bairro.

O dela,
pegava dinheiro e só, não queria transar. Também não queria
lavar a louça mas gostava de meia na gaveta. Minha amiga mandou ele à merda: achei
o Mínimo.

E naquela noite de sexta

a gente encostou a carro no canto da estrada, abrimos no braço as nossas cervejas quase quentes mas
ainda assim

eram bem melhores que os nossos ex-amores e

ficamos olhando a Lua, rindo das nossas tristezas,

sempre tão parecidas.

– É bom saber que eu tenho você.

eu disse a ela, e nossos olhos ficaram molhados. Tiramos foto, colocamos na Internet enquanto

o cel ainda tinha bateria. Depois
nada, não

planejávamos voltar tão cedo, pelo menos

não

dessa Vez.

tumblr_lr47eqz7YF1qzjgx5

asa Delta

Trancar pra não
perder
sempre foi o grande lema de quem
ama, não
do Amor. Do amor,
nunca.
Engaiolar o Belo é Medo disfarçado de
hábito, é
empalhar sentimento em Banho
Maria, afinal o
Momento
é coisa que
nasce pra
morrer mais
que a gente, um Fugaz de vida flash mas
as pessoas,
elas
pensam e
pensando
chegaram numa solução interessante, um
objeto que
guarda e
exibe
o que de mais doce
já aconteceu.
Se até as
Dores
passam, imagine então os Prazeres, eles
não passam,
eles
lampejam.
É aí que entra a
máquina.
Depois,
a foto.
Depois um
guarda foto, só para as melhores, de codinome Porta.
As piores
ficam no álbum,
as melhores
abrem Saudade sem
chave
toda vez que
somebody
olha um retrato e
não esquece.

 

Uma boa mulher

Imagem
Mudei de sobressalto. O medo é um animal oleoso, mas chegou minha hora de voar. Comecei a fumar de piteira e a tratar melhor dos meus anseios.
Entrei pra academia. Estou ficando com um corpo resistente.
Firme.
Melhorei no sexo, na cavalgada. Agora, os homens me adoram.
Eles me ligam e me dizem do amor.
Eu os beijo com a intimidade de uma puta.
Acredito no sonho de alguns, não de muitos.
Aprendi que as pessoas podem se ajudar de vez em quando. E que morar sozinho talvez seja a maior urgência de um ser humano.
Vou mudar pra vila Madalena, viu, fazer minha fita ou pelo menos
Fazer minha feira.
Tem uns muros legais por lá, pra tirar foto. Comprei uma câmera, sabe,
chama Carmem e vai dar tudo certo.
Soltei o passarinho da minha mãe. Estava na gaiola há quatro anos e há quatro anos aquilo me matava.
Minha mãe ficou chorando a tarde toda: Foda-se.
Desarrumei meu quarto, dei algumas roupas e poucos livros. Decidi pelo desapego e por paredes cor de laranja.
Prefiro madeira do que vidro e troco meus lençóis uma vez por semana.
Não tomo banho depois do sexo: Espero o esperma secar.
Parei de vez de usar calcinha e não corto mais o cabelo. Só as unhas, e pinto de vermelho.
Não tenho vergonha do meu corpo e me masturbo 3x por semana. Em duas delas, penso em mulheres. Em seios.
Contei a verdade para alguns amigos. Discuti com eles. Dei umas dicas pro meu porteiro. Comprei o cd novo da Gal e um colar com pingente de bicicleta. Tirei a grade da minha janela e mandei aquele merda, que chutou um mendigo ontem, pra a puta que o pariu.
Achei que ele ia me bater, mas parece que ele ficou com tesão. O mundo é lugar escroto pra quem decide lutar.