encontrar

enfrentamos uma escada em caracol antes de chegar no apartamento.

subi olhando pra cima, me apoiando no corrimão, o teto cada vez mais próximo. me lembrei de repente da caixa

que encontrei na casa da minha mãe cheia de

recortes de revistas e alguns desenhos que ela fazia, eu tratava aquilo como um tesouro, pequeno tesouro de quem foi a minha mãe. de resto uma cama, um sofá. e meus livros, depois de um tempo vou comprar um tapete.

 

-caso eu goste desse apartamento, espero que o elevador não esteja quebrado no dia da mudança.

-duvido. o zelador disse que demos azar.

 

chegamos no décimo segundo piso finalmente

 

-deu pra cansar? – o Júlio me perguntou colocando a chave na fechadura

-parece um corredor de hotel – comentei, e a porta abriu nesse instante

 

 

fazia sol dentro da sala.

 

 

-a planta desse apartamento é especial. – o Júlio me disse.

 

 

fui entrando, logo eu que nunca soube com qual rosto se entra num lugar que te agrada muito.

 

 

olhei a cozinha

de azulejos azuis

e um quadro

do Bergman.

 

-deixaram aí. – o Júlio explicou.

 

deslizei os dedos pelo quadro, um presente, me sentia como se eu não merecesse tanto.

visitei os três quartos.

um vai ser escritório, pensei. o Júlio acompanhava meus passos sem dizer quase nada

sabia que eu era do tipo que decidia de dentro, nunca por questões externas que os corretores tanto gostavam de listar. o Júlio me parecia diferente,

sensível

o olhei com carinho

ele me sorriu.

 

passeei também pelos banheiros, box, vaso, pia e

era como se eu não estivesse ali. queria tirar aquele amortecimento do corpo,

me sentir inteira no agora, mas

era impossível, eu estava feliz demais.

 

fui até a janela da sala.

 

apoiei no parapeito admirando a vista, me imaginei tomando um café ali todos os dias pela manhã

e fechei um pouco os olhos.

que música tocaria? a primeira música da história dessa casa comigo morando nela. girl from the north country? horses? anunciação.

 

-assim do alto até que são paulo tem seu charme. – eu disse.

-amo essa cidade.

-você nasceu aqui?

-sim. no bairro do limão. e você?

-sou do interior.

-quando se vem de uma cidade pequena é mais difícil se acostumar mesmo.

não tem a ver com a cidade, Júlio.

-com o que, então?

-comigo.

 

acendi um cigarro.

 

-você se importa? – perguntei.

-não, fique a vontade.

-quer um?

 

 

ele demorou pra responder.

 

 

-você nunca fumou?

não.

-então experimenta. – eu disse estendendo o maço.

 

ele tossiu

na primeira tragada

depois fumou como se tivesse feito isso a vida toda.

 

você leva jeito.

-não é pra tanto.

a primeira vez que fumei foi horrível, eu não conseguia tragar. fumava só colocando o cigarro na boca e soltando a fumaça.

-e você pensa que eu tô fazendo o que?

 

rimos.

-eu fazia questão de fumar na frente do colégio, queria provar pra todo mundo que eu era livre.

-deu certo?

-tomei uma suspensão de 7 dias.

 

ventava. olhei no relógio, 4 da tarde. eu gostava muito desse horário das 4.

 

-vou ficar com o apartamento, Júlio.

-eu sei.

 

 

só não me lembro quem

começou o beijo

mas pensando agora friamente

só pode ter sido eu.

 

Anúncios

Um comentário sobre “encontrar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s