inércia

 

chegamos em casa distraídas da rua que tinha sido boa com a gente que tem dinheiro pra pagar,

quando não tem é chispa daqui, vai espantar os clientes pelo amor

de deus. a palavra

deus

e cada um pedindo pra ela

coisas que vão do time de futebol ganhando até não deixa minha mãe morrer.

deus não se intromete, não foi ele que se inventou, fomos nós os colocadores de surdo no comando

de mão pesada
nos carros da cidade
vários adesivos de jesus.

chegamos em casa mãe e filha felizes.

o susto

é lento, ele vai minúsculo tomando os músculos até a cabeça.

chegamos em casa à passos curtos,

conversávamos de música sem muita profundidade quando vimos da porta

uma chuva ao contrário

no chão antes

sem gota, entramos incrédulas molhando as canelas o tênis

em sopa.

Aconteceu que o cano do filtro

Estourou

e bastou A casa ficar sozinha por 1 hora pra ceder o seco e virar Piscina com móveis que não sabem nadar porque nunca viram

tanta água sem ser na tv.

no meio disso nosso cachorro

imerso até a pata com os olhos querendo entender. quando nos viu

pediu com o corpo me tira

daqui.

Abracei ele, sequei com toalha e o coloquei no sofá. Se tivéssemos demorado um pouco mais

o sofá seria túmulo, cachorro pequeno não alcança lugar seguro.

minha mãe e eu nos olhamos sem coragem

dizendo

meu deus em pausas e deus

de fone.

tem terra tão seca que chega a se abrir

se há sede venha em casa com balde e sirva-se, moro na alameda

bacuri.

Respiramos fundo,

Abrimos os ralos,

Pegamos os rodos,

Peguei também um pano e me pareceu tão bobo

ter um pano pra secar o mar.

foram horas

intermináveis

de trabalho.

rimos desesperadas durante e também ficamos em silêncio.

quando o telefone tocou Não atendemos, diríamos o quê? que vazou um

cano alagador de apartamento nos escancarando o quanto é frágil existir?

a pessoa do outro lado diria Caramba ou qualquer outra coisa que não nos ajudaria em nada e desligaria rápida com medo de que a chamássemos para o Trabalho Duro da tarde

úmida.

Terminamos que as tragédias também terminam.

olhei a casa seca com respeito aos braços meus e da minha mãe.

sem palavras nós juramos nunca mais sair de casa sem fechar

o registro

ainda que acreditemos

em deus cada vez

menos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s