Família

foram pro festival de música juntas, forjavam a felicidade em sorrisos

curtos,

usavam roupas parecidas nos corpos

parecidos das

2, iam ao cinema, bolavam conversas,

tentavam sem jeito ou

do jeito

duro

delas,

se Amar

um pouco

que fosse.

Eram obrigadas, irmãos precisam se dar

bem.

E de tanto convívio,

incentivadas pelos laços de sangue, lá pelos 60 e poucos anos, elas

começaram a

se Amar, de fato. Estavam distraídas trocando a cortina da sala, uma na escada a outra segurando a escada quando

Brotou no peito 1 flor, a flor

da Convivência. Elas

não perceberam. Continuaram dividindo

as tarefas da casa

herdada

como se fossem obrigadas e não por Amor.

Nenhuma das duas se casou. Viviam da grana do passado, a

aposentadoria. A mais velha fazia almoço, a mais nova fazia jantar. Tinham 1 gato que morreu semana passada, no sofá

ficou o rombo

ao lado da almofada que Fred tanto gostava de

deitar, rombo de ausência. Já as duas não tinham nomes. Era uma

irmã da outra, a cidade toda as conheciam assim, fora que o bairro do Limão cresceu muito nesses últimos anos, no fundo

ninguém se importava.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s